Livros

Nesta página encontram-se as obras do Prof. Antônio Celso Mendes. Para adquirí-las, envie-nos um email através do link Contato.

Universo Virtual (2017)

Meditar sobre o Espírito é o que há de mais importante na realidade humana, por ser Ele o condicionante fundamental de nossos conhecimentos e de nossos sentimentos, seres que somos, dependentes também das condições aleatórias da nossa existência e de nossas intuições.

O autor vem se dedicando durante toda sua vida sobre as condições culturais que envolvem este terceiro milênio, na convicção de que a nova era se destina a revelar tudo o que o ser humano tem de mais original: a sua consciência, posta a serviço de sua verdadeira identidade e também do sentido de uma autêntica evolução para a humanidade.

Os temas aqui tratados constituem a variedade dos assuntos que ele teve a graça de desenvolver, todos de real interesse para todos aqueles preocupados com seus destinos transcendentes e transcendentais, o que não deixa de ser também uma preocupação inerente à própria condição de toda a humanidade.


capa-historia-do-parana

História do Paraná – Momentos Marcantes (2016)

O conhecimento da história se renova a cada descoberta de um documento antigo, um testemunho ou estudo de uma nova interpretação dada por um pesquisador. Não obstante, são grandes os obstáculos gerados pelo desinteresse das novas gerações em conhecer a história, como se ela não influenciasse  e não fosse a continuação de acontecimentos que hoje estamos vivenciando.


Veredas Espirituais (Juruá Editora, 2011)

A verdade é uma relação de consistência entre dois fenômenos. Ela se distingue como verdade sensível, verdade racional e verdade espiritual, cada uma ocupando seu lugar próprio. Mesmo distintas sua origem comum é a capacidade espiritual humana, fonte superior de toda a originalidade para a vida prática, estética, moral ou mística que dominam nossos interesses. Daí a precedência das verdades espirituais sobre as demais, bastando que se respeitem suas características próprias e suas originalidades virtuais. Isto é justamente o que o Autor pretende demonstrar, ao desenvolver os temas contidos na Obra. Façam bom proveito!


Introdução ao Universo dos Símbolos (Juruá Editora, 2009)

Eis aqui um livro verdadeiramente importante, na sua morfologia e na sua sintaxe estruturais, que se concentra de modo prioritário, mas não exclusivamente, na semiologia, semiótica, sematologia, semasiologia ou semanticologia (todos, termos de uma idêntica realidade significante, para não falar, fernandinamente, em “heterônimos” verbais). Na verdade, a semiótica, o reino dos signos e dos símbolos, é o núcleo da cosmografia pensante do autor; em torno do qual gravitam, à maneira dos planetas nas suas órbitas específicas, outros conhecimentos díspares, que vão da filosofia à ciência, da religião à arte, da política à ética, expostos com meridiana clareza, e ao mesmo tempo numa prosa elegante, quase aristocrática, por alguém que cultiva com maestria o belo e rico idioma de Camões e Vieira, Eça e Machado, Herculano e Ruy, Graciliano e Aquilino, Pessoa e Drummond, Jorge Amado e José Saramago. Trecho escrito por João Manuel Simões, da Academia Paranaense de Letras.


Filosofia em Forma de Poesia vol. 3 (Juruá Editora, 2008)

Na Antigüidade os filósofos pré-socráticos costumavam se expressar em linguagem poética. Filosofia e Poesia intercambiavam-se a partir de um solo comum, alheio a toda e qualquer modalidade de lógica excludente, inseparáveis, até o advento da ciência socrática. Em Filosofia em Forma de Poesia vol. III o Poeta, Filósofo e Professor Dr. Antônio Celso Mendes nos brinda com lições de filosofia, emolduradas em versos e estrofes, com a musicalidade da métrica e das rimas. São 146 aulas nas quais o poeta nos transmite um saber filosófico com sabor de poesia, na redoma de 146 poemas – reflexões diante dos grandes mistérios e enigmas da vida e do universo.


Dimensões Conceituais do Direito (Ed. Champagnat, 2005)

O conhecimento jurídico se estrutura a partir de diversas experiências, espontâneas ou coativas, subjetivas ou objetivas, individuais ou coletivas, que dão ao direito um caráter conceitual sui generis, de muitos significados, com pequenas ou quase nulas compatibilidades, o que permite caracterizá-lo como interdisciplinar, simbólico e pluridimensional. Ao analisar o fenômeno jurídico, podemos constatar que ele é proveniente de muitas fontes diferenciadas, mas que se co-implicam e se completam, advindo daí as suas ambigüidades conceituais, as suas dimensões simbólicas e a sua interdisciplinaridade.


Filosofia em Forma de Poesia vol. 2 (Associação da Vila Militar, 2005)

Agora estou eu, aqui, filosofando, para descobrir a linha correta para apresentar o novo livro do Prof. Dr. Antônio Celso Mendes. Divago por entre as páginas e desapareço nos intervalos dos versos, procurando encontrar as mais adequadas expressões para exprimir a essência da sua obra. Os poemas de Antônio Celso Mendes procuram refletir, como espelhos mágicos, a “complexidade dos poemas filosóficos, surgentes a partir de nossa condição de seres humanos espiritualizados”, transformada, porém, para alcançar a sensibilidade do leitor, levando-o a mergulhar nas profundezas de si mesmo, embalado pela “música literária”. Trecho escrito por Adélia Maria Woellner, da Academia Paranaense de Letras.


Direito – Ciência, Filosofia e Política (Ed. Educa, 2005)

O presente trabalho tem por escopo apresentar um resumo dos principais temas que normalmente são tratados numa introdução à filosofia do direito. Sua finalidade é didática, o que implica a necessidade de uma complementação de pesquisa. Seu propósito: tratar a filosofia do direito de acordo com os estágios mais recentes da teoria das ciências, seus conteúdos ideológicos e sua destinação eminentemente humanística. O livro trata de assuntos como: Ciência e Ideologia, Direito e Ideologia, Direito e Valor, Direito e Moral, Direito e Filosofia, Conceito de Direito, O Direito entre os Gregos, Helenismo e Direito Romano, Escola Clássica do Direito Natural, Sociologismo Jurídico, Conceito Crítico do Direito e Direito e Justiça.


Filosofia em Forma de Poesia (Associação da Vila Militar, 2003)

Às vezes, o título do livro mente – e é bom que minta para ser verdadeiro e real e, realmente, poético, para dizer e desdizer e ser, naturalmente, poético. Portanto, aqui está um filósofo poeta, o conhecido filósofo Antonio Celso Mendes, que se ocupa, linda mente, igual mente, em poetar e o faz de modo magistral, que é professor também. Não posso deixar de pensar em Fernando Pessoa, quando Antonio Celso Mendes diz: ‘Se a filosofia fala à razão, a poesia, ao coração’ e quando diz Fernando Pessoa: O que em mim sente está pensando, o que não conseguiu, enfim, dizer o filósofo, disse-o o poeta. Pensador, Antonio Celso Mendes sabe distinguir Eros de Ágape, inclusive em seu ofício didático, prático, poético, de magistério; e sabe rezar com humildade. Trecho escrito por Leopoldo Sherner, da Academia Paranaense de Letras.


Os Símbolos e a Realidade (Filosofia para Todos, 2002)

Imerso em obscuridades, o processo simbólico não deixa, contudo, de representar um importante mecanismo de compreensão da realidade. A sua ocorrência remonta à natureza mais recôndita do ser humano, que tem em seus símbolos um repositório fértil de conceitos, imagens e cerimônias, através dos quais supre as contradições existentes entra a Natureza e seu Espírito, entre a realidade e a sua figuração. Denunciando as insuficiências do paradigma material, os símbolos representam um importante instrumento de afirmação da natureza sui generis da espécie humana, aberta para o imagético, o transcendente e o divino. Este livro aborda temas como: Teoria Geral dos Símbolos, O Espírito e a Natureza, Simbologias no Comportamento, Sobre a Consciência e As Simbologias da Arte.


Diálogos com a Filosofia (Ed. JM, 2000)

A filosofia é um diálogo do ser humano com o mundo que o cerca. Sua origem é espontânea, como o desabrochar de uma flor. Mas suas causas são misteriosas, como é a do Espírito que lhe dá origem. Daí o seu encanto e as suas profundezas. Neste singelo exercício de troca de palavras, o que o Autor pretende é suscitar que o leitor desperte para o seu enlevo e a sua paixão. Depois, o destino já estará selado. Este livro trata de assuntos como: As Origens e a Crise da Filosofia, Filosofia e Ciência, Filosofia e Verdade, Que é Metafísica, Que é a Realidade, Filosofia e Valores, Polaridade Dialética, O Absoluto, Herança Psicológica, Filosofia e Democracia, Arte de Viver e A Filosofia e o Sexo.


Direito – Linguagem e Estrutura Simbólica (Ed. Educa, 1996)

O que verificamos nas linguagens tradicionais da ciência do direito é um esforço considerável para compatibilizar os inúmeros aspectos contraditórios do fenômeno jurídico. Aproveitando a teoria tridimensional do consagrado mestre Miguel Reale, nossa proposta é a concepção de uma teoria do campo jurídico, abarcando todos os ramos da experiência jurídica. Este livro aborda temas como: Semiologia e Direito, Semiótica e Linguagem Jurídica, Direito e Semiótica, Direito e Métodos de Reflexão, Campo Jurídico: Sistema e Funções, Estética do Campo Jurídico, Conceitos de Direito, Definições de Direito, Direito e Processo Reflexivo, Crítica do Direito, Antropogênese do Direito e Direitos Naturais como Plexos de Significação.


Filosofia Jurídica no Brasil (Ed. IBRASA, 1992)

Desde a publicação da História das Idéias Jurídicas no Brasil (SP, Ed. Grijalbo, 1969), de Antônio Luiz Machado Neto, não se contava, afora estudos esparsos, com uma atualização mais sitemática da evolução da filosofia jurídica no Brasil. Tal foi o nosso propósito, ao elaborar dissertação de mestrado junto à Universidade Federal do Paraná, abrangendo a cultura jurídica brasileira desde a Colônia até os dias atuais. Este livro trata de assuntos como: Antecedentes Históricos, O Período Imperial e a Tradição Jusnaturalista, Positivismo e Bacharelismo na República, O Real e o Legal no Brasil Revolucionário, O Período Autoritário e As Direções Contemporâneas da Filosofia Jurídica Brasileira.


Caminhos do Espírito (Ed. Educa, 1991)

Há algo de misterioso no ar. De repente, tudo se torna claro, tudo se engrandece, tudo se justifica. É o ser humano atento à sua realidade maior, o Espírito que faz perfeitas todas as coisas. Encontrá-lo é rasgar o paradoxo entre a vida e a morte, entre o determinismo e a liberdade, entre o bem e o mal. Sua palavra é a criação, seu sentimento é o amor, seu tempo é a eternidade, seu propósito é a perfeição. Identificar-se com Ele é nunca estar só, é nunca sofrer, é nunca desesperar. O livro trata de assuntos como: Que é viver, Princípios Éticos, Que é Espírito, Que são Deveres, As Aspirações do Espírito, Homem e Mulher, O Diálogo do Espírito, Ensinando a Amar, Que é Reflexão, Os Sentidos da Liberdade, A Auto-Afirmação do Espírito, Liberdade e Compromisso, Perenidade do Espírito, Liberdade e Justiça, Religião e Arte Revitalizando a Crença, A Poemática do Espírito, A Dimensões do Espírito, Os Sentidos da Arte, A Presença de Deus, Que são Ideais, Que é Ter Fé, Semiótica dos Valores e notas sobre o Autor.